3.10.09

Angústia, senhora companheira

Quero desdemonizar a angústia (advogo em causa própria). Admito, vez por outra meu peito aperta. Sinto uma chave-de-braço ao redor do pescoço, uma gravata do judô, um sufoco sem sentido. Especialistas afirmam que a verdadeira angústia dá a sensação de que a vida é semelhante a um corredor rugoso e estreito, que fere a pele interior e que que se afunila. Sinto isso. Meus horizontes se embotam em lágrimas confusas, os dias se esfumaçam em tédios e os sonhos se diluem em maus presságios.

Mesmo assim, procuro reconciliar-me com a angústia; sei quantas percepções, sensibilidades, valores e verdades são necessários para um coração angustiar-se. Somos feitos de sombras e luzes, desejos e medos, desesperos e sonhos. Só existe aflição porque um universo de complexidades habita dentro da gente.

Pagamos um preço alto para crescer em humanidade. Sim, a sabedoria cobra caro por suas lições. O simples não sofre. O tolo não questiona. O ingênuo não se aflige.

Não, não faço apologia do sofrimento – autocomiseração é uma forma de egoísmo. Não sou masoquista. Mas aquiesço, em meio ao enredamento de existir, ninguém evita a dor de viver. Machuca perceber a exiguidade dos anos, as condições inclementes dos miseráveis, o perigo de adoecer com câncer, a efemeridade dos relacionamentos, a incapacidade de controlar os acontecimentos.

Nosso primeiro medo veio com o primeiro fôlego. Nada mais angustiante que o dia do nascimento. O nosso derradeiro pavor? O suspiro final. Nada mais angustiante do que a ideia de inexistir. Nascemos e morremos na angústia. Entre os dois momentos, nos acompanhamos da ansiedade que restringe, do vazio que atormenta, da inadequação que comprime.

Devemos à senhora angústia, que merece deferência, os maiores avanços da humanidade. O que aconteceria a homens e mulheres se ela não existisse? De onde veio a genialidade de Vincent Van Gogh? Wolfgang Amadeus Mozart arrancou inspiração de que jeito? O que empurrou Martin Luther King Junior para a militância? Portanto, seria tontice tentar devolver-lhe a chave-de-braço. Não se esgana a angústia. Para viver não é necessário fazê-la sumir. Basta dar-lhe significado. É possível sorrir mesmo ralando em paredes mal rebocadas.

Concordo, certas angústias são destrutivas e não devem encontrar abrigo na alma: desesperos patológicos, que corroem; cinismos frios, que apodrecem valores éticos; depressões que amordaçam a alegria. Contudo, a possibilidade de ser feliz se equilíbra na corda bamba que sustenta, ao mesmo tempo, desalento e esperança.

Soli Deo Gloria.

Ricardo Gondim

2 comentários:

amigodcristo disse...

Paz seja contigo Pavarini...!!!
Os textos do Ricardo Gondin são facinantes...!!!
Te felicitopela escolha...!!!!
O texto em tela muito edificante, ânsiedade, angústias, realmente é algo que sempre esta em contraste com a alma sofredora Humana, são espinhos que somente mesmo a graça divina para nos sustentar a luz da esperança!!!!
Meu irmão gostaria de lhe agradecer sua visita, e o apoio pela união, para mim é uma honra em ter o avatar do caro irmão na lista dos abençoados, que seguem o blog,longe da barganha de blog, gostaria de te felicitar em Cristo Jesus peloseu laboroso trabalho, e tedesejar os bons votos de sucesso, e acima de tudo a paz de Cristo sobre tua casa e em teus queridos, graça e paz !!!!

Gustavo disse...

É alentador e edificante ler uma preciosidade dessa pela manhã. Que Deus continue usando a sabedoria do Gondim para escrever jóias como essa por muito tempo.
O cara é muito bom na lida com as letras.

Blog Widget by LinkWithin