11.10.09

A peregrina

Às 7h da manhã Dilma Rousseff já estava "inteiraça", no adro da Igreja do Bonfim, como observou um passante local. Toda vestida de branco, dentro dos preceitos do Candomblé na sexta-feira baiana, consagrada a Oxalá, para assistir a primeira missa do dia no templo católico. Minutos antes, no adro, como na cerimônia famosa da Lavagem, eis a ministra cercada de mães, filhos e filhas de santo. Ali a ministra Dilma Rousseff, que acaba de ser declarada curada de um câncer linfático pelos cientistas e médicos do hospital paulista Sírio Libanês, recebeu um banho ritual de folhas de aroeira, consideradas as melhores para "abrir caminhos fechados". Foram misturadas outras folhas destinadas a reforçar o pedido.

Depois veio a apoteose da sexta-feira, 9, no Bonfim: a missa no templo lotado de fiéis, rezada e animada pelo padre Edson Menezes, pároco que conduziu tudo como um ato "religioso e político eleitoral" como raramente visto em terras e terreiros baianos, apesar de todo o seu sincretismo.

Diante de uma contrita ex-guerrilheira e atual poderosa ministra petista de Lula, acompanhada do governador petista de origem judaica, Jaques Wagner e da primeira-dama Fátima Mendonça, uma baiana cem por cento, o pároco caprichou nos gestos e palavras do sermão, como o melhor dos cabos eleitorais que Dilma jamais imaginou encontrar, nas circunstâncias.

Padre Edson deu vivas e pediu palmas aos fiéis "para a peregrina Dilma, que também subiu a colina para agradecer como fazem os baianos". E as palmas vibraram com força diante do altar. Ainda molhada do banho de folhas do Candomblé, com medidas do santo de todas as cores nas mãos, Dilma, emocionada, agradeceu a cura e beijou a imagem do santo. Mas não recebeu a hóstia da comunhão distribuída aos fiéis pelo padre e seus acólitos. Missa encerrada, a visitante saiu, ainda cercada de palmas, abraços, bilhetes com pedidos pessoais ou apelos por uma pose para fotografia, que ela atendeu, sempre solícita.

fonte: Terra Magazine
dica do Jarbas Aragão

4 comentários:

CHICCO SAL disse...

É a ressurreição da velha UDN dos anos 50, de cujas fileiras políticos notórios se acostumaram a acender uma vela para Deus e uma para o Diabo ao mesmo tempo....

Anônimo disse...

O Abravanel e eu, continuanos,do lado de lá/do lado de cá, curtindo o Chaves´. SP.

Anônimo disse...

bando de políticvos vagabundos


só usam os evangélicos pra conseguir votos


depois quando são eleitos


tentam submeter os evangélicos a todo tipo de imoralidade

como a pl 122 que proibi a distribuição de bíblias

Anônimo disse...

no rio de janeirto o governador apoiou uma lei

em qu enão se pode mais atribuir culpa nenhuma em público ao demônio se não vai preso


não se pode mais falar emn encosto

ou seja nas elei~ções os evangélicos vaelm alguma coisa

amas depois que dão o voto


voltam a se restrume

Blog Widget by LinkWithin