7.12.09

Fui roubado pelo "contador-pastor"

Durante anos o meu contador, que se apresentava como pastor de uma igreja neopentecostal da Zona Leste, desviou da minha empresa recursos que eram destinados ao pagamento de impostos. Para isso, forjou guias e falsificou autenticações bancárias. Até aí, digamos, tudo “normal”.

Munido de todas as provas, tratei de abrir um boletim de ocorrência na delegacia do bairro e fiz uma denúncia ao conselho regional de contabilidade. E, ainda, liguei para a igreja neopentecostal em que ele pregava e relatei o fato ao pastor-chefe, que se mostrou frio e indiferente (talvez em nome de uma pragmática política de resultados). Enfim, fiz tudo isso para nada.

Passados mais de dois anos, o inquérito na delegacia ainda não foi aberto, o sujeito continua filiado ao conselho profissional e seu escritório operando normalmente. Na Justiça, depois de ganhar bastante tempo – seu advogado usou de todas as artimanhas e malandragens que o cipoal jurídico do Brasil estimula –, acabou tendo que fazer um acordo que reparou parcialmente meu prejuízo. Eu, a vítima, fui submetido à sentença “é pegar ou largar”.

Conhecendo o País em que vivo, “peguei”, naturalmente. De vez em quando, minha advogada liga para a delegacia e ouve que a coisa ainda está parada. Coincidência ou não, o contador me contou certa vez que trabalhava para várias empresas de segurança, normalmente negócios tocados por policiais ou ex-policiais. Estou contando essas coisas, motivado pelo escândalo de Brasília (desculpem a redundância), envolvendo o pilantra (manjado de outros carnavais) José Roberto Arruda e sua gangue.

Seria apenas mais uma expressão da praxe desonesta dos políticos brasileiros, não importa quais sejam seus partidos, sempre meras fachadas para negociatas escusas, não fosse o componente da cena em vídeo da bandidagem abraçada, “orando”...

Imediatamente, me veio à mente a pessoa do meu “contador-pastor”. Quando eu fazia-lhe visitas no escritório, notava que sempre havia uma bíblia aberta à sua frente. A cada dez palavras, saía-se, “emocionado”, com um refrão bíblico qualquer à guisa de exemplo dignificante. Com o Brasil coalhado de malandros e igrejas era claro que, mais cedo ou mais tarde, nos depararíamos com uma associação direta entre roubalheira de dinheiro público e “fervor religioso”.

Abraçados, os ladrões reconheciam que “somos falhos” e agradeciam a proteção do “Senhor”. Mais honesto seria reconhecerem logo que são todos “filhos” da mesma mãe...

No futebol, os mesmos jogadores que dão cotoveladas, fazem gols com a mão e aceitam “malas brancas”, quando acertam a bola na rede levantam as camisetas e mostram mensagens de fidelidade a Jesus, jogam beijos para o céu e se prostram de joelhos. Costumo assistir, com freqüência, e recomendo em minhas palestras a estudantes a que assistam também, aos pastores da televisão (não importa o canal). O objetivo é aprender com eles sobre a nossa profissão de comunicadores/vendedores.

Afinal, eles estão no mesmo negócio em que nós operamos: o negócio de convencer pessoas a deixar-nos uma grana pela marca que defendemos, movidas pelo reconhecimento da conveniência de fazê-lo. (Sejamos humildes e reconheçamos que nenhum publicitário brasileiro teve competência para montar um negócio do tamanho dos que eles montaram). Não fosse assim – puro negócio –, que propósito justificaria pastores diversos de igrejas diferentes pregarem as mesmas coisas, em nome do mesmo Deus, só que arrecadando para cofres de nomenclaturas particulares? É negócio. E, por ser negócio, não constrange ladrões e vigaristas, como os de Brasília, de apropriarem-se de rituais de expiação e agradecimento com a cara mais deslavada do mundo.

O fato é que perdemos a noção. Não temos mais balizamento moral nenhum. Na política, os crimes eleitorais não precisam mais de disfarces. Liberou geral. Não importa se situação ou oposição, pré-candidatos ou cabos eleitorais, ocupantes de cargos públicos passam por cima da lei como se a justiça eleitoral não existisse.

Nunca vi tamanha desmoralização. Mas como poderia ser diferente se na administração desse imenso galinheiro chamado Brasil o organograma é todo ocupado por lobos? Duvida? É só gravar que a dúvida se dissipa. Eu, aliás, sempre defendi a tese de que o que diferencia um político incontestavelmente corrupto dos outros é o fato dele ter sido gravado e os outros não.

Perto dessa gente, o meu ex-“contador/pastor”, coitado, é um anjinho...

Stalimir Vieira, no Propaganda & Marketing.

21 comentários:

Lucas F. disse...

Qual a intenção de se postar algo assim?
O Pavablog ainda é um blog cristão?

Esse tipo de problema não precisa ser exposto dessa maneira.

Só ajuda o evangelho ser mais mal visto pelas pessoas que não entendem que os cristãos também erram.

Só ajuda as pessoas a terem a aquela velha idéia na cabeça.

"Pastor é tudu safadu"

Lucas
Viva a Revolução!
http://vivalarivoluzione.blogspot.com/

Carlos Zillner disse...

Caro Lucas

O evangelho nunca vai ser abalado por uma declaração dessas. Pois o evangelho não é composto por pessoas que frequentam uma igreja e sim por pessoas que vivem ele.

Denunciar e tornar publico um crime cometido por um religioso é sim um ato cristão.

Esconder erros só pq são cometidos por pessoas que frequentam a igreja é hipocrisia e cumplicidade.

"Bem aventurados os que tem fome e sede de justiça."

Parabéns pelo post Pava.

Gustavo K-fé disse...

Paulo já exortava a repreensão pública desses @#$@#$!@#$$&. Acerca de presbíteros/pastores, escreve Paulo a Timóteo:

1 Timóteo 5.20 "Quanto aos que vivem no pecado, repreende-os na presença de todos, para que também os demais temam."

Gustavo K-fé disse...

Como diz minha mãe, inconscientemente influenciada por Dante, tem um cantinho mais quentinho no inferno reservado para tais "pastores". Ô glória!

extremosulgospel@gmail.com disse...

Infelizmente precisamos moldar alguns post, tenho um site, e estou preocupado na busca de informações em colocar matérias, que denigrem o nosso EVANGELHO, já está bastante machucado.

José Ailton
www.extremosulgospel.com.br

Tico e Teco da Jane disse...

Se tivéssemos sempre a cara limpa de resolvermos os problemas entre o povo de Deus sem máscaras, os evangélicos não estariam com essa má fama. Tudo culpa de pecados escondidos e mal resolvidos... tudo culpa da cumplicidade que sempre aconteceu no meio.
Graças a Deus, o Evangelho nunca terá um arranhão porque está acima deste povo que se diz evangélico.

Luis Delcides disse...

Moldar o quê meu caro José Ailton? Mascarar mais a igreja e pintá-la de cor de rosa e colocar aquela frase ridicula: "guarda o teu pé quando entrares na casa de Deus"?

prjulio disse...

Antigamente eu me alegrava em dizer que sou pastor pois considero uma função nobre e amorosa.
Ainda penso isso mas acho que estou cada vez mais solitário no meu modo de pensar!!!

antonia disse...

Hipocritas,acham que não deve falar a verdade pq vai desmoralizar mais ainda o Evangelho..O PIOR CEGO É AQUELE QUE NÃO QUER VER.
Que bom que temoS homens de coragem de mostrar suas caras e falar A VERDADE...METE A BOCA NO TROMBONE...ANCHE PARLARE.

Robson Lelles disse...

Enquanto a igreja prosseguir "confundindo" amor com conivência, assim será.

Amar também é repreender, exortar, educar, disciplinar. Aquele que não quiser exercer sua autoridade sobre aquele que comete um ilícito, que então abra mão dela, em vez de ficar empatando e acobertando situações abomináveis que só fazem agravar esse quadro de horrores que se tornou a igreja.

Anônimo disse...

MEU DEUS, QUE COMENTÁRIO INFELIZ, TEM QUE SER EXPOSTO SIM, MEU DEUS.

Quem sou eu disse...

CONTA TUDO PARA TUA MAE, CONTA TUDO PRA MAE.

Lucas F. disse...

Curti muito os comentários de todos. Valeu mesmo por terem respondido.

Mas acho meio estranho nós mesmo gritarmos o pecado de cima dos telhados, ou ter fome de justiça e nós mesmo tentarmos fazê-la expondondo isso.
Não acho que é ser hipócrita ter a postura que tenho como alguns irmãos disseram. Ser hipócrita é pregar uma coisa que você não faz, e nem cumplicidade.
Eu não estou de maneira nenhuma pedindo para que este homem não seja punido, ou para que isso fique guardado a sete chaves dentro do esquecimento.

Isso deve sim, ver investigado pela polícia, a justiça deve ser feita SIM. Mas creio que isolar o problema e minimizar as consequencias não são hipocrisia mas sim prudência, cautela e zelo para com a imagem de todos os pastores e cristãos que lutam para serem integros.

Quando digo que isso difama a imagem da igreja não estou dizendo a igreja como corpo de Cristo (lógico), mas a igreja como uma organização aqui na terra.

Um post desse não leva a nada, não edifica a nada. Isso não é amar (exortar, repreender) acho que quem mais pode fazer isso são as pessoas que vivem com ele dia após dia.

Quando Paulo diz para repreender o pecado na frente de todos, será que ele não está se referindo a todos "A IGREJA" (já que estava falando para uma)? Ou ele defende que o pecador seja colocado em praça pública com uma placa dizendo oq ele fez?


Se eu estiver com um amigo não cristão e começar a mostrar os podres da igreja pra ele, que eu e ele sabemos que existem, ele vai olhar para mim e pensar, cara vc é trouxa? Está seguindo isso? Eu prefiro é ser espírita, macumbeiro, ou qualquer outra coisa que não seja assim.

Desculpem mas ainda não concordo com isso. Se quer exortar chegue na irmão e diga, se quer justiça denuncie, ou ORE, ORE MUITO.

Sejamos zelosos com o ou pelo menos com a imagem dele.

Abraços!

Robson Lelles disse...

Irmão Lucas:

"Se eu estiver com um amigo não cristão e começar a mostrar os podres da igreja pra ele, que eu e ele sabemos que existem, ele vai olhar para mim e pensar, cara vc é trouxa? Está seguindo isso? Eu prefiro é ser espírita, macumbeiro, ou qualquer outra coisa que não seja assim."

RL>> Até porque nos centros espíritas, nos terreiros de macumba e nas dioceses não rola corrupção, abominações, nada disso, não é mesmo? A diferença é que lá isso é tolerado ou é mesmo bem aceito e não causa escândalo. Por que então não nos conformarmos ao que eles praticam?

Porque se eu me conformar a eles, serei igual a eles. No entanto, sei e aceito o fato de que nem todos tem entranhas fortes o suficiente para denunciar e aguentar a barra de sustentar que o que foi denunciado é errado até o fim.

Em Cristo,

Lucas F. disse...

Mas Robson...
Claro que essas coisas rolam por aí, mas pq isso não tem o impácto que tem no mundo evangélico?

Pq não são coisas escancaradas.

Se há ou não justiça é problema deles.

Oq eu digo é que HAJA SIM A JUSTIÇA! Não estou falando para encobrirmos e deixar barato! NÃO! As pessoas devem pagar pelo que fizeram.

Mas estou dizendo que exibir isso para o mundo apedrejar é de certa forma uma tolice, não vai adiantar nada. Os efeitos negativos são muito, mas muito maiores do que os positivos.

Vejo que levar uma questão até o fim é sim uma questão de estranhas, "SE FEZ, ASSUMA, E RECEBA CONSEQUENCIAS!" (afinal oq vc semear isso você colherá).

Agora, não vejo edificação de pessoas por meio dessas denuncias. Só vejo que gera agitação e barulho.

Abração!

Gustavo K-fé disse...

Denúncia não gera só agitação e barulho. Se você for pensar bem denúncia seria uma boa tradução para "profecia". Aconselho com toda sinceridade o irmão a ler os profetas do Antigo Testamento com outros olhos.
Veja também como a Bíblia não esconde mas escancara o pecado. Exemplos: Noé, Davi, Moisés, Jonas, etc. Pensemos em como Jesus escancarou os podres dos Escribas e Fariseus denunciando suas práticas explicitamente.
Acho que depois de os Hernandes esconderem dólares na Bíblia e foram justamente presos ao entrarem nos EUA (depois de o oficial de Alfândega perguntar 3 vezes se eles traziam dinheiro consigo), depois do escândalo da Sangue-suga, depois de vários outros casos do cotidiano como o texto, fica óbvio que o "testemunho moral coletivo" dos evangélicos é muito ruim. Se o irmão depende de "bom testemunho moral" dos evangélicos para "evangelizar", não o recrimino, mas sinto dizer que estarás dando murro em ponta de faca pela simples razão, penso eu, de ter uma noção equivocada de "evangelho". Sugiro, portanto, que o irmão reconsidere o "evangelho" como uma alteridade radical.

Gustavo K-fé disse...

Há também um problema ético no caso. Pensando por enquanto individualmente, ao não reagir a um caso como esse não estaria a pessoa acobertando e, em última análise, sendo cúmplice do problema? A referência com extremos seria a história do bom samaritano. A pergunta mais genérica seria: como reagir diante de comportamentos anti-éticos? Pensando coletivamente, as perguntas seriam mais complicadas: quais seriam os instrumentos de prestação de contas éticas mútuas desse grupo que se chama "evangélico"? Ou pelo lado político: por que certos "líderes" têm tanto poder e quase nenhuma ética? Ou ainda: quantas vezes você ouviu a palavra "ética" numa igreja?

juninho disse...

as e sempre sujeiras do nosso meio.mas qual a real intenção deste blog!?difamar o meio evangelico!?nos bombardear com as sujeiras dos joios!?porque não ha neste blog,ainda nenhuma menção de atos dignos de louvores de trabalhos evangelicos(e são muitos)!?

estou muito desconfiado das verdadeiras intenções deste blog e seu autor!

Ayres Filho disse...

Olha, a questão é delicada. Ambas. E as duas me incomodam.

Lucas F. disse...

E aí Gustavo!!!

Cara.. algumas coisas que vc disse eu concordo, outras não..
concordo com tudo oq vc disse sobre ética.. sobre a moral do Cristão que já está baixa perante a sociedade, e está mesmo, escandalos e mais um monte de coisa. Concordo com o evangelho ser algo radical, e é, deve trazer uma revolução para nossas vidas.
Mas por exemplo já não concordo muito em comprar isso com os profetas, acho que são contextos diferentes, por acaso quem fez esse tipo de postagem fez a mando de Deus? Já que os profetas profetizavam contra o pecado a mando de Deus. O contexto era outro, é complicado comparar isso. E escancarar o pecado.. de Noé, Moisés, o pecado deles foi escancarado para toda a população que se podia alcançar? Ou somente para as pessoas envolvidas??

Não vejo que a minha postura é de cúmplice, sou contra e já disse. Mas deixo as providências a quem é cabível tomá-las.

Ah, uma coisa que eu não gostei muito de vc ter falado de mim cara... eu não DEPENDO de moral Cristã para evangelizar, mas isso com certeza ajuda, e não é pq ela está caída que vamos terminar de jogá-la por terra.
Mas estou gostando de todo esse bate papo... realmente me faz pensar...


Sinceros Abraços!

Cesar Belieny disse...

O REINO DE DEUS É EXPRESSADO NO CRISTO EM NÓS...TUDO QUE FOR CONTRÁRIO A ISSO, DEVE SER EXORTADO. POSTO QUE VIVO PRA DIFUNDIR O AMOR QUE ME REGENEROU(GEROU DE NOVO), SEM FAZER MÉDIA COM QUEM QUER QUE SEJA, NO CONSTRANGIMENTO DO ESPÍRITO SANTO.
DEUS NÃO PRECISA DE MIM...EU O AMO POR QUE ME AMOU PRIMEIRO. DAÍ NA MINHA INSUFICIÊNCIA, NÃO CONSIGO MAIS DEIXAR DE EXPRESSAR ESSE AMOR.
AMAR É ADMOESTAR, AMAR É, NÃO MAQUIAR A IGREJA(edificada pela confissão de Pedro:"Tú és o Cristo..." revelada por Jesus:"Sobre esta pedra(afirmação de Pedro) edificarei..." COM MÁSCARA HIPÓCRITA.
GRAÇA E PAZ!!

Blog Widget by LinkWithin