13.12.09

Uma vida com propósitos (2)

"Depois de Atos, aqui está o melhor, mais prático e o mais rico ensino sobre o crescimento da igreja."

Estas palavras do palmeirense Ary Velloso foram estampadas na capa de Uma igreja com propósitos, livro de Rick Warren publicado no Brasil pela primeira vez em 1997. Ainda desconhecido no Brasil, o líder de Saddleback nem sonhava com a explosão mundial de sucesso que ocorreria alguns anos depois c/ a publicação de Uma vida com propósitos.

Tive o privilégio de editar o texto de Warren (confira na ficha técnica), chamado posteriormente por Peter Drucker de "o inventor do avivamento perpétuo". A obra foi escolhida como um dos 100 livros cristãos que mudaram o século XX. Não é pouca coisa... :P

Como sempre acontece nos casos de sucesso, levantaram-se inúmeras vozes p/ apontar "heresias" e "problemas" nos dois best-sellers de Warren. Tudo igualzinho ao que aconteceu + recentemente c/ as soporíferas "denúncias" s/ o livro A cabana. Lembrando a máxima collorida, o tempo mostra-se senhor da razão e em alguns meses os críticos voltam p/ o limbo e as obras permanecem.

Confesso que, tempos depois, tremia de pavor ao ouvir a palavra "propósitos". A overdose de obras derivadas (e de outras que tentaram pegar carona no sucesso) foi de encher a bolsa escrotal em níveis insuportáveis. Pior ainda os que extrapolaram o caráter literário e abraçaram as ideias do livro como "manual de crescimento de igreja". Até o visual californiano despojado de Warren foi (e tem sido) imitado, mostrando que o complexo de vira-lata continua em alta neste país abençoado por Deus.

Em 2001, Rick Warren esteve no Brasil. Em total falta de sintonia c/ a simplicidade do cabra, a entourage brasileira dificultava qq tipo de aproximação. Excutivo da editora que o publicava aqui, me cansei da falta de respostas aos e-mails e telefonemas. Queria uma exclusiva c/ Mr. Warren e decidi tentar burlar a vigilância que armaram em torno dele.

Foi beeeem + fácil do que imaginava. Descobri que ele estava no Meridien e me dirigi até o belo hotel em Copacabana. Joguei aquele agá básico na recepção e me passaram o número do quarto dele. Liguei, me apresentei e falei que queria bater um papinho c/ ele. Em 10 minutos estávamos curtindo aquela vista linda e conversando descontraidamente. Quando os "meganhas gospel" descobriram, ficaram furiosos e ficavam batendo no relógio p/ que eu encerrasse o papo. Obviamente, isso ñ aconteceu. =)

"May God bless your ministry, Sergio Pavarini - Pv 19.21", diz a dedicatória no meu exemplar de Uma igreja com propósitos. Um dos livros que guardo com carinho na seção de obras autografadas que tenho na biblioteca.

O papo com Rick Warren vc confere aqui.

8 comentários:

Will disse...

Já dizia o pensador: "Posso não concordar com suas palavras mas defenderei até minha morte seu direito de dizê-las."

Não concordo com o elogio ao livro, mas tens o direito de aprovar a obra.

Abraço!

Tom Fernandes disse...

Também me enjoei com o tanto de propósitos que o povo arrumou por aqui. Mas não penso que seja culpa do Warren, assim como não é culpa do Peretti que seu livro tenha virado manual de curso de libertação e guerra espiritual. O que falta para a igreja brasileira é o caminho do meio, do equilíbrio, da virtude.
Como me disse certa vez um amigo de horas incertas [pelo qual sou grato a Deus todos os dias da minha vida], há duas profissões em que é preciso coragem: a de profeta e a de editor.
Parabéns pela 'exclusiva' e obrigado por desvelar para nós um Rick mais humano, acessível e cristão do que tantos líderes eclesiásticos brasileiros têm se mostrado.

blogdaleilahh disse...

Além de fazer seminários baseados no livro dele, eu
assisti e gostei muito duma pregação do Rick, pela televisão, pra líderes.
Ele falou que o diabo nos tenta também nas nossas fortalezas e citou como Jesus foi tentado no deserto..."És o filho de Deus? Então manda ...faça..."

Alguns líderes tem vigiado nas fraquezas e se esquecendo das fortalezas...porisso esse caos que vem acontecendo nas igrejas, que antes desconhecíamos.

Ah...ele vai lançar ou já lançou no Brasil, o livro "The hope You Need", que teve os direitos adquiridos pela Editora Vida.
Com certeza vem mais coisa boa aí.
Abraço.

Ayres Filho disse...

WoW! Fiquei feliz com o post. Por saber que não estou sozinho no reconhecimento da importância da obra de Rick Warren para a Igreja do nosso século.

Por isso, também gostei do trecho de 'Celebrando uma vida com propósitos' que está publicado no blog 'Livros Só Mudam Pessoas'.

Grande abraço! ;-)

Gabriel Nagib disse...

Rapaz, confesso que tenho preconceito com este livro. Nunca o li, e só de ouvir a palavra "propósitos" já sinto calafrios. Parece coisa de americano sistematizador, daqueles que organizam até como se deve amar (passo 1: faça isso, passo 2: faça aquilo)...

MAS, darei uma chance e lerei o prefácio. Quem sabe terei menos preconceito? rsrs

Eliézer disse...

Acredito que a indução ao erro sobre a obra de Warren já começa na afimação de Ary Velloso na capa de "Uma igreja com propósitos". Apesar de, à rigor não afirmar, dá a entender que o livro trata-se de mais um manual de crescimento explosivo da igreja, supostamente melhor que o piramídico G/M12 por ter sido elaborado por um pastor "tradicional" com êxito em seus postulados.

Acredito ser questionável a questão da quantidade que ele aborda na entrevista... quem assim pensa também é o Estevam Hernandez, que quantidade é atraída qualidade, basta ver que a qualidade das apresentações das bandas da Renascer desde o início atraiu uma multidão que até hoje se acotovela nas "marchas"... agora quando fala-se em qualidade no discipulado as coisas degringolam pois o marco aferidor do êxito em todos os metodos é a quantia de gente que se consegue envolver na "obra do Senhor"...

Warren é um cristão certamente... as heresias à ele imputadas não mudam a essência do que é a mensagem do evangelho, tratam-se mais de um caso de bibliolatria crônica que de acusações que devam ser levadas em consideração... entretanto o foco ainda está dirigido a expansão numérica da igreja que a mudança de vidas pela mensagem do evangelho... a relação "aceitar Jesus" + "batismo" = "crescimento" é tipicamente eclesial.

Pavarini disse...

vamos continuar c/ a sessão reminiscências... hehe

é importante considerar o cenário no qual o livro foi lançado. adotado em larga escala no brasil (pra variar), a "rede ministerial" by willow creek + bill hybels já declinava e muitos pastores estavam em busca de novos "modelos" p/ seguir.

uns 8 anos depois, ainda tem gente que compra os kits p/ aplicar cada passo de um programa bem-sucedido... na califórnia. nem vou desfi(l)ar os adjetivos que me ocorrem... rs

pelas perguntas que fiz, tb dá pra lembrar um pouco o que "afligia" o rebanho na época. tipow o ostracismo ao qual eram submetidos os pastores divorciados. hj o tema ñ consta no rol de preocupações, p/ gáudio de alguns e desgosto de outros.

interessante sublinhar o reconhecimento do peter drucker ao sucesso da aplicação de alguns princípios mercadológicos à igreja. por motivos bem óbvios, ñ compartilho da visão comum de que o marketing nasceu no inferno e é uma técnica de "enganar pessoas". não é comum esse tipo de influência fora dos quadrados eclesiais.

se alguém deseja ler o livro, que o faça simplesmente a fim de (re)conhecer um pouco da história recente da igreja. se as expectativas forem alocadas corretamente, nenhum problema. =)

abraços a todos e muuuito obrigado pelas contribuições ao papo.

Anônimo disse...

O diabo reinará sobre a terra durante 7 anos

é fundamental que os evangelicos catolicos espirtas e religiões colcaborem com ele

Blog Widget by LinkWithin