20.1.10

Paralelos teológicos

Karl Barth foi um teólogo nascido na Basiléia, na Suíça, sendo um dos maiores de que se tem notícia na história da Teologia, visto ter trazido contribuições demasiado importantes para o debate e reflexão acadêmicos pelo viés da Teologia Dialética e da chamada Neo-ortodoxia protestante (corrente de pensamento que tanto me encantou nos meus cinco anos de academia teológica).

É de Barth a matriz para o chamado “pensamento universalista”. Segundo tal pensar, grosso modo, o amor de Deus é tão intenso e incomensurável, que não haveria a menor possibilidade de o Mal subsistir, quando do momento da manifestação plena de tal amor. É como se, na presença do amor magnificente de Deus, o mal fosse de todo aniquilado e o inferno saqueado e destruído.

Lembrei-me de Barth e de meus anos de academia teológica ao acessar o livro bíblico de Jonas e ao lançar mão de uma “frase universalista” em um meu cartão de visitas. Relendo o livro do “profeta menor” Jonas, certifiquei-me mais uma vez de que se trata de um libelo contra a segregação étnica e pela universalização do acesso ao Deus criador. É interessante notar que a pregação de Jonas, que acabou por converter os grandes pecadores de Nínive (na época, uma “cidade cuja maldade já tinha chegado aos céus”), longe de ter felicitado o profeta, o desencantou em demasia, pois o mesmo estava nenhum pouco interessado em que outra etnia, que não a sua, alcançasse a misericórdia do Deus de toda a criação.

A visão exclusivista de Jonas, no meu modesto entender, nada mais é do que uma versão judaica antiga da atual visão exclusivista de vários segmentos religiosos, evangélicos dentre eles. Tal visão acabou por fazer do povo judeu um grupo perseguido, odiado e segregado por outros e até por si mesmo. O mesmo parece estar acontecendo com todo o grupo que, de forma segregadora e intolerante, se posiciona como uma nação “fora do mundo”.

A frase de cunho “universalista” que postei em meu cartão de visitas diz: “A derrota cabal do Mal será que, ao abrir as portas do inferno, ele o encontrará vazio, por causa da Cruz de Cristo”. Assim como a conversão dos ninivitas, que tanto irritou ao profeta Jonas, por conta de seu exclusivismo segregador, minha frase também irritou ou, no mínimo, chocou um bom número de pessoas cristãs “piedosas”. “Mas, pastor, assim não vai ter inferno, poxa!”. “Então, vai ser todo mundo salvo, pastor?!”.

Não nego a existência do céu e do inferno, embora pouco eu possa falar sobre eles. Todavia, o que assusta não é o fato de a Bíblia os fazer existentes – ainda que tenham tido as mais variadas leituras no decorrer dos anos – mas o fato de que o inferno precisa existir; tem de ter gente lá!

Para o profeta Jonas, os ninivitas não poderiam se converter a Deus. Eles teriam mesmo de ser destruídos e queimados vivos! Da mesma maneira a frase de cunho utópico cristão que postei acabou por ser lida como um “libera geral” não-punitivo. E isso, tristemente, desencantou.

A simpatia à Neo-ortodoxia protestante me fez olhar com bons olhos para a visão universalista de um amor que aniquila todo o mal e instaura o bem para sempre e para todos, mas isso tem um alto preço, é óbvio. Noutra época, levaria à fogueira!

Ainda assim, e no nível da provocação, pergunto: a vontade de Deus poderia não ser feita? Diz a Bíblia que “a vontade de Deus é que todos se salvem” e que essa mesma “vontade de Deus é boa, perfeita e agradável”. A questão mais provocadora e que não calará, pois, é: Para você, é bom, perfeito e agradável que a maioria da imagem e semelhança de Deus queime eternamente num espaço de flagelo e dor incessantes?

Não radicalizei, refutando as ideias bíblicas de céu e inferno, mas gostaria que, ao menos, minha frase universalista fosse lida como uma utopia cristã a ser buscada, ainda que utopia. Pode até ser que não aconteça, mas minha vontade também é que todos se salvem.

Fonte: Arte, Teologia e Ciências Sociais

7 comentários:

João Calvino disse...

Perguntaram, recentemente, creio que para Jürgen Moltmann se ele era universalista.

Ele respondeu que sim. Mas que quando ele pensa em Hitler, gostaria de pensar diferente.

CHICCO SAL disse...

Cristo de fato se fez homem e se apresentou como servo para resgatar não só a humanidade mas para reconciliar consigo mesmo todas as coisas no Universo.

A obra de Cristo é muito maior que a falsa ética e moral que vemos permear as igrejas cristãs. Não! Cristo é muito mais que filosofia, conceitos ético-morais: é o próprio Deus encarnado por amor à sua Criação.

Quando penso que ele nos mandou pescar homens sempre lembro que ele não nos mandou limpar os peixes: isso seria tarefa para o Espírito Santo. Portanto, quando conseguirmos, cada um de nós, tirar a baleia que existe dentro de nós, talvez consigamos enxergar a realidade e, finalmente, consigamos ser amigos do Rei. E, para sermos amigos dele, relembro, teremos de amar assim como ele amou...

É pelo amor que seus discípulos serão conhecidos, por nenhuma outra coisa ou outra obra mais.

Anônimo disse...

Me excita saber que Deus pode, como falou a Moisés, levantar e abater a quem quer que seja. Ele é soberano em tudo. Tudo mesmo. Até sobre heresias poéticas de pobre valor teológico. Vamos analisar de acordo com a Sua Palavra, que diz: Terei misericórdia de quem Eu quiser ter misericórdia...
Nada Mais completo e auto explicativo do que isso.

CHICCO SAL disse...

Isso mesmo, Anônimo... Deus é Deus e faz o que quer, quando quer, como quer... vai ver que foi por isso que Ele enviou Jesus Cristo para ser o 'salvador de todos os homens, especialmente dos fiéis'.

Ederley disse...

A princípio, o exercicio humano de ser Deus, nos faz pensar que somos interpretes incontestaveis da divina Plavra, mas não somos. Eu creio na Bíblia sem rodeios e sem quedas para esse ou aquele lado teológico. Apenas creio e isso não me faz ter crises filosóficas e nem cair na tentação de crer em teologos que como disse Paulo: Estudam sempre, sem nunca chegar ao conhecimento da verdade. Quando escrevi o comentário acima com o pseudonimo de Anonimo, e eu usei esse pseudonimo pq estava mais fácil e meio perdido na web, fiz pensando nesses comentaristas bíblicos que nos querem fazer pensar por eles. Igual aos papistas que só creem no que o papa quer que eles creiam.

CHICCO SAL disse...

Ederley,

Muito bacana a tua colocação, crítica e auto-crítica. Penso então que estamos na mesma trincheira, da busca da verdade, esperando que o Senhor nos revele por meio de sua palavra o que Ele quer para cada um de nós.

Grande abraço,

Chicco Sal

Gustavo K-fé disse...

Estava lendo Ehrman, sobre como não temos acesso aos manuscritos 'originais' dos primeiros séculos da e.c., nem a cópias dos originais nem a cópias das cópias. Foi muito interessante ver quanta diferença havia entre esses manuscritos nos primeiros séculos. Acabamos por muito automaticamente usando construções (como 'Bíblia' ou 'Palavra') fazendo uma série de pressuposições simplistas e, portanto, confortáveis.

Blog Widget by LinkWithin