1.5.10

Desculpaê

Reza o clichê que “religião, política e futebol” não se discute. Como não sou chegado a rezas e a-do-ro quebrar clichês, permitam-me abrir o coração (#momentoemo) e lascar algumas besteiras envolvendo ao menos 2 itens dessa tríade proibida.

Como protestante nas diversas acepções do termo (inclusive a religiosa), peço desculpas pela invasão de pastores na TV. Você tá lá sussa querendo esquecer do trampo e aparece um indivíduo de terno gelo, alfinete (não o do Pânico) na gravata e um sorriso plastificado para contar as vantagens de você pagar carnês. Tipow um Baú da Felicidade Gospel que você deve pagar religiosamente (com trocadilho) e no final recebe um nada divino conjunto de 6 pratos âmbar. #credo

Você muda de canal e aparece uma ex-presidiária coberta de maquiagem gemendo e repetindo frases positivas, do tipo “decrete aos céus que vai conseguir um varão (ui!) pra casar e você vai conseguir, amada”. Please não pense besteiras porque o dialeto evangélico é pra lá de surreal mesmo. Aposto que você ainda vai ouvir alguns crentes chamando outros de “vaso”. Aff...

O maridão dessa senhora disse que foi visitado na penitenciária por um anjo que lhe revelou o nome do demônio por trás (capeta sodomita?) da Rede Globo. Crédulos como o Kaká, os irmãos da igreja fizeram campanha pela falência da Vênus Platinada e o expediente tão-somente contribuiu para a quase bancarrota da credibilidade dos cristãos. Malz aê.

Entediado, você desliga a TV e resolve tentar o rádio. Nem a invasão dos marcianos no badalado programa radiofônico de 1938 provocaria tantos sustos como acompanhar as ondas (literalmente) curtas evangélicas. De pastor berrando para expulsar demônios surdos a cantores decadentes que converteram sua área de atuação, vale (quase) tudo. #muitomedo

Uma ligeira espiada no cenário político já é suficiente para mostrar como anda a cambada, digo, bancada evangélica. A primeira imagem que aparece na mente é a da “oração da propina”, episódio emblemático das safadezas que ainda são feitas usando (em vão) o nome de Deus. Isso sem falar que grande parcela de crentes (em quê?) envolvidos no escândalo dos sanguessugas. Estamos em todas, hein!

Tem muita gente de cara e fazendo beicinho por conta do sucesso do filme do Chico Xavier. Todo santo dia aparece na blogosfera alguém afirmando que existe uma estratégia para difundir o espiritismo patrocinada... pela Globo. RÁ! Esse complexo de vira-lata é ½ furado. Explico: é só a gente juntar os atores evangélicos e dar o troco. Depois da inesquecível atuação em Cinderela Baiana, ninguém melhor que Carla Perez para ser a protagonista. Irmãos na fé, Dedé Santana e Kid Bengala também poderiam participar, neam... Aliás, que tal o cara trocar a nome artístico para Kid Varão? :P

Melhor parar por aqui com esse refogado gospel de abobrinhas para evitar compressão testicular em quem teve paciência de chegar até aqui. No entanto, não posso meter (ops) um ponto final neste panteão tosco antes de mencionar a Maria Osmarina. Analfabeta e com a saúde frágil, ela só aprendeu a ver as horas com 14 anos. Não vou desfi(l)ar toda a trajetória dela porque em breve a jornalista Marília Cesar vai fazer isso com + competência. Recorrendo ao poeta, “Marina [Silva], você já é bonita com o que Deus lhe deu”. #salve

Sei que a irmã senadora não tem chances e será repelida até no seio (muxiba) da igreja evangélica. Enfadado, emputecido e desnorteado com a pasmaceira que vivemos, peço vênia pra sonhar um pouco. “Se tenho de sonhar, porque não sonhar os meus próprios sonhos?”, orou Pessoa. Marina é quimera... Os outros são “quimer(d)a”. Deus nos ajude.

meu texto de abril no Blog das 30 pessoas.

recomendo a leitura dos comentários hiperlegais.

9 comentários:

Anônimo disse...

Na minha Igreja o Apóstolo está apoiando a Marina Silva e um monte de Igrejas irmanadas também.
Eu que sou radical não, pq ela não se opõe ao casamento homossexual, mas vou obedecer meu pastor.
É isso, vc não pode tomar o microfone e falar em nome de todas as denominações, as quais o SENHOR separou, porque as portas do Inferno não prevalecerão contra o pequenino rebanho.
Nem assisto televisão, e a maioria dos seus comentários são pertinentes as tais.
Enfim.
Com todo o respeito.

Fernando Piva disse...

Eita, Pava! Mandou super bem! =D

PriAliança disse...

Agora eu fiquei preocupada. Primeiro, um servo (serva?) de Deus que decide não apoiar um candidato à presidência não por desacreditar de sua competência ou orientação política, mas sim por que o candidato "não é contra o casamento gay" (um tema que paticularmente considero secundário diente de outras questões). Até aí, tudo bem, todos temos o direito (legal, inclusive) a nossas escolhas políticas. Mas aí vem o problema: CEDER SEU VOTO ÀS CONVICÇÕES POLÍTICAS DE OUTRA PESSOA, votando em alguém por "obediência"!? Caro Anônimo, pelo amor que você tem a seu país e a si mesmo, não faça isso. Como servo de Deus, você tem responsabilidades que vão além do dízimo e de ir aos cultos.

Eliézer disse...

Parabéns Pava. Neste texto você se superou, brow. Extremamente preciso, irônico em tom acertado, exposição de quem tem propriedade para tal míster. Antológico para ser preciso.

Abçs.

Marcelo L F disse...

A Marina é bem conservadora, mas está em um partido ultra-liberal.
Não vejo problema no casamento gay legalizado, afinal, o Estado é laico, e as pessoas tem seus direitos independente do que a fé da maioria diz.
Se continuarmos pensando que os gays não tem direito de casar, transformamos o Estado em religioso, e nos igualamos aos Estados mulçumanos. Onde a religão está acima da Lei.

Rubem disse...

Um "Estado" é formado de pessoas. Quem faz a lei são pessoas. Essas mesmas pessoas costumam se dizer cristãs. E sabemos bem o que diz a doutrina cristã. Então, quando dizemos que o "Estado" vota uma lei a favor da união homossexual, pansexual ou zoófila, ou vota pela pena de morte (assassinato) é a mesma coisa que dizer que PESSOAS -que se dizem cristãs - votaram a favor da união homossexual, pansexual ou zoófila ou a favor do assassinato.

Não adianta essas pessoas - cada um de nós - se esconderem atrás de entidades abstratas como Estado, Pátria (os soldados, nas guerras), cargos, funções ou Igrejas.

Temos de assumir a responsabilidade por nossas escolhas como PESSOAS, indivíduos.

Teixeira disse...

Meu caro Pavarini...porque vc diz essas coisas???
O povo(de Deus)sei não...precisa de mais um pouco de gente boa como os ex- presidiários a quem voce se refere, para mantê-los abestalhados com essa eterna cara de bumbum.
Agora temos o (a)pósto Vardomiro, vendendo o apoio que diz ter do povo dele, a qualquer político que queira fazer uma proposta.
Que te parece???
Cara se aqueles caras da turma do Lutero por exemplo, soubessem que o que eles chamaram de reforma daria nisso, será que teriam se empenhado tanto pra fazer esse negócio?
Bem meu caro, só o que posso dizer é que "a coisa aqui tá preta, muita mutreta pra engolir a transação..."e por aí vai.
abração.

Papo de Mané disse...

Cara... valeu mesmo! Também estou de saco cheio desse mix gospel que só causa enfado e vergonha ao evangelho.

Riva

EDIFICAR disse...

PAVA, Voce é o nosso PAVAROTTI que graças a Deus ainda está vivo!
Suas tiradas estão na mesma altura que o antigo PAVA que já esta Morti... Boas falas e bom texto.
Um grande abraço!
Edivandro

Blog Widget by LinkWithin