11.10.09

O agito na rua do Senhor

A vendedora Juliana Cristina e sua Bíblia com capa de listras. Acima,
a fila no caixa do bazar
com mais de 3 000 produtos evangélicos

Ruas especializadas são características da cidade de São Paulo. Há uma rua das noivas, uma de madeiras, outra de motores, a dos eletrônicos, a dos lustres, a dos joalheiros, a dos instrumentos musicais e, agora, como sinal dos tempos, a dos evangélicos, ironicamente localizada às costas da Catedral da Sé. Em pouco mais de duas quadras, há galerias, lojas e camelôs vendendo artigos de que fiéis e pastores possam precisar – desde bíblias até envelopes para a coleta do dízimo. Pode-se encontrar ali o mobiliário necessário para montar um templo. Esse é, por sinal, um, digamos, segmento de mercado em ampla expansão, com a abertura de 10 000 templos evangélicos por ano.

Durante a semana, o maior movimento na rua é de lojistas de todo o país em busca de mercadorias. No sábado é a vez do comprador individual. "Vim com a família comprar peças de vestuário para o novo grupo de jovens da igreja", diz o paulistano Valteci Figueiredo dos Santos, que não resistiu à pechincha de três gravatas por 10 reais. O burburinho na Conde de Sarzedas é similar ao das vias de comércio popular das proximidades. A peculiaridade é que nela os camelôs e as barraquinhas de comida dividem as calçadas com pregadores e cantores gospel. Naturalmente, os ambulantes vendem produtos pirateados, só que autenticamente evangélicos. Por enquanto, o negócio é próspero para todos. "A pirataria ainda não conseguiu nos incomodar", diz Renato Fleischner, editor-chefe da Editora Mundo Cristão, com estimativa de venda de 1,5 milhão de livros neste ano.

Na década de 90, as variadas denominações evangélicas se multiplicaram no Brasil. O número de fiéis cresceu quatro vezes acima da média da população brasileira. Ao contrário da maioria católica, discreta no que diz respeito a compras ligadas à religião, os evangélicos se revelaram consumidores vorazes. O mercado de produtos específicos para eles é estimado em 1 bilhão de reais, o dobro de quatro anos atrás. O apetite consumista se deve bastante aos pentecostais (confissões mais antigas e severas em questões de vestuário e comportamento), como a Assembleia de Deus, com 15 milhões de fiéis, e aos neopentecostais (mais recentes e liberais em relação ao comportamento do fiel), como a Universal do Reino de Deus, com 8 milhões de seguidores.

Sete anos atrás, a primeira edição da ExpoCristã, a maior feira de negócios evangélicos da América Latina, em São Paulo, reuniu 58 expositores e recebeu 4 500 visitantes. Neste ano, o número de expositores chegou a 315 e o de visitantes passou dos 150 000. Há também versões mais modestas montadas em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro. Estima-se que três de cada dez CDs vendidos no país sejam de música gospel. Um dos discos de Aline Barros, a mais popular cantora evangélica, vendeu mais de 3 milhões de CDs e DVDs. Nas prateleiras da Ebenezer, a maior loja da rua, pode-se escolher qualquer gênero musical – pagode, rap, heavy metal, todos devidamente evangélicos.

Na Brother Simion, é difícil conciliar a imagem tradicional da religião com as jaquetas de couro, correntes de metal e bolsas de padrão oncinha do estilo roqueiro. Quem entra é recebido por uma vendedora de cabelos vermelhos. "Boa tarde, irmã, olha que linda essa mochila que acabou de chegar", diz Juliana Cristina Melo, 20 anos, na loja há sete meses. Ela é uma vendedora elétrica, atenta a cada freguês que entra. "Foi Jesus quem me deu o dom da comunicação fácil", explica Juliana. Ela divide o atendimento com o dono da loja, Brother Simion. Cinquentão, com uma carreira de sucesso no rock gospel nacional, ele gosta de contar seu momento de "iluminação". "Fui morar na Holanda e me envolvi com drogas", relata. "Então conheci Jesus e voltei meu rock para a música gospel. Hoje, minha missão é ‘descaretizar’ a religião."

Pelo menos uma dezena de pregadores tenta ao mesmo tempo atrair novos fiéis e vender alguma coisa na Conde de Sarzedas. Alguns pregam aos gritos, outros tocam música com caixas de som em alto volume. Israel Dias, 38 anos, é cantor gospel há quatro e disputa todos os dias um espaço na rua para propagandear seus dois CDs – ambos de produção independente. Ele sai de Santo Amaro, no sul da cidade, às 8 da manhã e caça fregueses na rua por cinco a seis horas. No meio do dia faz uma pausa para se perfumar e arrumar o terno impecável. "É isso que cativa os clientes", diz Israel, que fatura de 150 a 200 reais por dia. Dá uma boa renda mensal. Deus seja louvado!

fonte: Veja

6 comentários:

Cícero Alvernaz disse...

Esse "agito" incomoda muita gente, mas é absolutamente normal em se tratando de comércio entre evangélicos. Em qualquer cidade do Brasil, é possível ver esse boom que caracteriza o crescimento amplamente discutido e nunca entendido das igrejas cristãs evangélicas em nosso Brasil. Moro em uma cidade que tem 180 mil habitantes e cerca de 30% desta população é evangélica. Essa força tende a crescer cada vez mais à medida que as pessoas vão se conscientizando e entendendo que servir a Deus é mais do que um privilégio: é uma bênção. O convite de Jesus continua soando e alcançando muitos ouvidos e corações: "Vinde a mim..."

CHICCO SAL disse...

Essa verdadeira feira de badulaques gospel é coisa para latoeiro algum botar defeito. Alexandre, que o diga!

Cíntia Rojo disse...

Que é uma benção ver o número de cristãos crescendo, eu não vou discutir... mas que a Conde de Sarzedas tem coisa brega pra dedéu... ninguém pode negar!

Anônimo disse...

Ouvi falar outro dia de um cara maluco que não acreditava nesse negócio de comércio religioso (contradição de termos) e saiu com um chicote na mão, na rua que dava acesso ao templo, derrubando mesas, virando balcões, acanalhando o dia mais lucrativo, reclamando respeito ao nome do seu Deus, porque não se poderia servir a Deus e ao dinheiro... Deve ser só mais um desses malucos que se acham em condição de julgar o mundo! Deus abençoe o nosso lucro!

Anônimo disse...

bem colocada a ironia do anônimo acima. Vero!

Marcia disse...

"A peculiaridade é que nela os camelôs e as barraquinhas de comida dividem as calçadas com pregadores e cantores gospel. Naturalmente, os ambulantes vendem produtos pirateados, só que autenticamente evangélicos." QUEM SERÁ QUE COMPRA OS PRODUTOS EVANGÉLICOS PIRATEADOS? OS ÍMPIOS? SÓ EXISTE ESSE COMÉRCIO PORQUE A PROCURA E MAIOR QUE A OFERTA! QUE TESTEMUNHO DE RETIDÃO É ESSE QUE OS CRISTÃOS APRESENTAM? OUTRO DIA OUVI O RELATO DE UM CRISTÃO QUE DISSE AO PASTOR: PASTOR COMPREI DOIS DVD'S POR R$5,00, QUE BENÇÃO NÉ? O MENOR PREÇO DAQUELES DVD'S ERA R$ 20,00 CADA UM.
Hoje em dia ninguém se conforma em não ter as coisas, mesmo que não tenham condições dão um 'jeitinho', exemplos:
A pessoa não pode ter uma tv por assinatura: solução gatonet.
A pessoa não pode comprar o cd's ou dvd's originais de sua preferência: solução cd'a e dvd's piratas.
A pessoa não pode ter um automóvel: solução compram um automóvel em péssimo estado, cheio de multas e com o IPVA atrasado e ainda dizem que é benção!
A pessoa não tem condições de ter um ar condicionado pois aumentará consideravelmente sua conta de energia elétrica: solução gato de luz.
E ficaria aqui dando mil exemplos e pensando que tipo de testemunho é esse que os cristãos estão dando fazendo essas coisas e ainda se eximindo da culpa, pois a culpa é de todos, do governo, da crise, do desemprego, quiçá de Deus, menos deles próprios. saudações e a Paz de Cristo Jesus.

Blog Widget by LinkWithin