17.3.10

A impenitente fornicação cristã

Tenho um amigo que é um santo secular, absolutamente sem religião, que concilia as façanhas de ser homem de família, artista irretocável e portador das boas novas aos pobres (sendo que eu, naturalmente, não sou nenhuma dessas coisas). Certa vez esse sujeito estava falando comigo sobre outro cara, amigo dele, que ele considera ser ao mesmo tempo artista mais notável e muito mais engajado nas questões sociais do que ele mesmo, um cara que meu amigo tem por seu herói pessoal.

Nesse momento ele parou o seu relato para perguntar:

– E você, Paulo, tem heróis?

Apanhado de surpresa, ocorreu-me responder de modo ao mesmo tempo provocativo e sincero. Ergui uma sobrancelha e arrisquei, como se estivesse em grande dúvida:

– Jesus?

– Jesus não vale – exigiu meu amigo. – Jesus é o herói de todo mundo.

Achei aquilo fascinante, tanto a noção de que Jesus pudesse ser o herói secreto daqueles que não usurpam o seu nome quanto a ideia subjacente, de que mesmo quem admira Jesus carece sensualizá-lo, encontrar-se efetivamente com ele numa pessoa de carne e osso que adequadamente encarne os seus valores e desafios. Eu conhecia uma pessoa assim, o Néviton Marci, mas antes que pudesse mencionar o nome dele meu amigo avançou seu argumento. Sabendo que minha menção a Jesus tinha sido em grande parte uma provocação sobre sua postura arreligiosa, ele prosseguiu:

– E você sabe muito bem que eu tenho um relacionamento de amor platônico com o cristianismo – e, para explorar todas as possibilidades da metáfora, arrematou: – Eu não fodo com o cristianismo como vocês fazem.

Eu, que nunca tinha visto meu amigo recorrer a um palavrão, tive de render-me imediatamente a sua lógica, sua lucidez e sua indignação. Porque quanto mais nós cristãos tentamos foder com o cristianismo, no sentido de conhecê-lo (biblicamente falando) e de nos relacionarmos intimamente com ele, mais acabamos fodendo com ele, no sentido de arruiná-lo juntamente com a sua reputação. Leia +.

Paulo Brabo, em A Bacia das Almas.

3 comentários:

Gabriel Nagib disse...

Não diga foder, diga "destruir a santidade", ou "desviar os caminhos", ou "introduzir heresias no âmago da mensagem". O importante é não usar certas palavras que estão no index proibitorium evangélico.

É, fodemos com tudo.

ps: é que tá rolando uma discussão em outro blog, bem mais santo que esse, sobre o uso de palavras torpes. Vê-se que esse blog é um exemplo desse tipo de comportamento terrível. Estou enojado. :

http://tempora-mores.blogspot.com/2010/03/palavrao-so-pra-garantir-esse-refrao.html?ext-ref=comm-sub-email

Eliézer disse...

O Paulo é foda!

Anônimo disse...

É foda ter que aguentar gente que nunca diz foda! Aliás, esses caras do Tempora são chatos pra car#l@o (quase saiu o palavrão, mas eu me controlei). Não falam nome feio, mas ficam mordendo a pleura dos outros... Qeoparil!

Blog Widget by LinkWithin